‘’Os crentes, os judeus, os cristãos e os sabeus, enfim todos os que creem em Deus, no Dia do Juízo Final, e praticam o  bem, receberão a sua recompensa do seu Senhor e não haverá medo sobre eles, nem ficarão tristes.’’ (Alcorão: 2:62)

Existe uma crença entre o povo judeu de que eles são o povo escolhido de Deus. Tradicionalmente, eles acreditavam ser os únicos destinatários das bênçãos de Deus. De acordo com algumas exegeses, o versículo do Alcorão mencionado acima contesta essa afirmação. A partir dessa interpretação, impede que os muçulmanos se considerem o único povo de Deus. Este versículo revela que, além dos muçulmanos, pessoas honestas entre os judeus, os cristãos e os sabeus também serão recompensados por Deus no além. Podemos distinguir facilmente o povo judeu e o cristão mencionado neste versículo; todos nós sabemos quem eles são. Os muçulmanos aceitam esses dois grupos como ahlul kitab, que significa "povo do livro". Mas quem são os sabeus?

Esta pergunta foi feita mesmo na tenra idade do Islã e a opinião continua a variar por quatrocentos anos. Obras de vários escritores muçulmanos medievais ilustram que nunca houve um único grupo de pessoas a ser identificado como sabeus. Grupos bastante diversos de pessoas com visões religiosas variadas foram reconhecidos pelos muçulmanos como sabeus; alguns deles gnósticos, outros seguidores de religiões herméticas ou mitraicas de diferentes tipos. Devemos ter em mente que antes do surgimento do Islã, muitas religiões abraâmicas, helenísticas e persas e suas diferentes versões sincréticas estavam espalhadas por todo o Oriente Médio. Estas coexistiram com grandes religiões como Cristianismo, Judaísmo e Zoroastrismo. Muitas dessas diversas tradições religiosas desapareceram agora, o que quer que tenha sobrevivido até o século passado, desaparecendo rapidamente do Oriente Médio neste século XXI.

O primeiro grupo religioso a ser reconhecido como cidadãos "sabeus" de um califado islâmico foi o povo Mandian do Iraque. O Iraque foi conquistado durante a época do segundo califa rashidun Omar I. Anush Ibn Danka, um líder dos mandeanos, exigiu proteção para seu povo frente as autoridades muçulmanas no Iraque, alegando que eram os "sabeus" mencionados no Alcorão. Ele trouxe o livro sagrado de seu povo, o ‘’Ginja Rabba’,’ para os muçulmanos e afirmou que ‘’João Batista’’ era seu profeta. João, que batizou Jesus Cristo, era uma figura reverenciada nas tradições do Cristianismo e do Islã. Os mandeanos, que seguiam João como seu profeta, mas não Jesus, receberam a cidadania do califado Rashidun como sabeus, como um povo do livro. Encontramos, na história bem registrada do Islã, a menção de outro grupo religioso que foi considerado sabeus sob o califado abássida durante o século IX. Essas pessoas eram nativas da região de Harran, na Turquia. Eles adoravam corpos astrológicos, como planetas e estrelas, e seguiam uma religião hermética, estabelecida após o profeta Hermes. Esta religião está extinta, mas seus seguidores viveram em Bagdá como membros ilustres da sociedade durante os anos dourados do califado abássida. Naquela época, acreditava-se que Hermes era o Profeta Idris mencionado no Alcorão e, portanto, os Herméticos de Harran, como seguidores do profeta, foram categorizados como sabeus e receberam cidadania com todos os direitos reservados ao povo do livro.

Uma das pessoas famosas a seguir esta última religião foi Thabit ibn Qurra, um grande matemático e astrônomo. Como adoradores de planetas e estrelas, os herméticos eram especialistas em astronomia, e Thabit era um dos mestres astrônomos entre eles. Thabit também era versado em vários idiomas desde tenra idade. Ele foi convidado a estudar em Bagdá por Muhammad ibn Musa ibn Shakir, um famoso matemático que tinha vindo para uma excursão em Harran. Naquela época, Bagdá era a cidade cosmopolita mais movimentada do mundo e o melhor centro de estudos. Thabit terminou seus estudos aqui e voltou para sua cidade natal. No entanto, ele teve que voltar e viver em Bagdá depois de ser rejeitado como anti-religioso por seu próprio povo devido às suas opiniões filosóficas.

A partir desses exemplos, entendemos que, embora o termo sabeu não tenha sido claramente definido no Alcorão, ele forneceu uma bandeira comum para as pessoas de muitas tradições religiosas diversas, vivendo sob os primeiros califados islâmicos, que não eram cristãos ou judeus. Os califados rashidun, omíada e abássida não hesitaram em conceder a pessoas de diversas religiões a cidadania sob o Estado islâmico e a vaga categoria do Alcorão de "sabeus" forneceu-lhes a base para incorporar todas essas pessoas ao seu governo.

Ao ler sobre pessoas como Thabit, também percebemos que a capital islâmica de Bagdá durante a idade de ouro do Califado Abássida era um dos lugares mais liberais da terra, onde alguém de um sistema de crenças divergente e com inclinação filosófica e pontos de vista que eram considerados desviantes até mesmo por seu próprio povo, não era estavam apenas, mas também recebia o devido respeito por seu intelecto. 

Tabith foi premiado com um lugar na corte do califa Al-Mutamid e se tornou um dos amigos mais próximos do califa. Ele retribuiu a confiança e a reverência com seu trabalho. Ele traduziu muitos textos científicos do siríaco e grego para o árabe. De acordo com Copérnico, Thabit ibn Qurra mediu a duração de um ano solar em 365 dias, 6 horas, 9 minutos e 12 segundos, o que difere da contagem moderna apenas por dois segundos. O ‘’número thabit’’ na matemática e a ‘’Cratera Thabit’’ na lua foram nomeados em homenagem a esta grande mente.

Também deve ser notado que embora indesejável em casa, Tabith eventualmente se tornou um líder da diáspora seus correligionários em Bagdá. Se a capital abássida em Bagdá não fosse um lugar liberal acomodando diversas comunidades religiosas e um grande centro de aprendizado e de indivíduos eruditos, não veríamos figuras como Thabit na história. Sem dúvida, os califados abássidas e rashidun eram muito mais liberais do que seus contemporâneos no trato com as religiões de seus cidadãos e, claramente, muito diferentes em natureza do chamado Estado islâmico de nosso tempo e seu califado de araque no Iraque e na Síria.

Os yazidis no Iraque moderno seguem uma religião monoteísta sincretista. Um califado liberal como os abássidas provavelmente os teria considerado sabeus. No entanto, no califado moderno de al-Baghdadi, eles não apenas perdem a proteção da cidadania, mas estão sujeitos a sofrimentos desumanos à medida que o ISIS legalizou sua matança, pilhagem de suas propriedades e comércio ou mantê-los como escravos. Na esteira das vitórias do ISIS sobre suas terras, os yazidis se tornaram a comunidade mais perseguida. Até mesmo os mandeanos, que na verdade foram o primeiro grupo religioso a ser considerado sabeu e tratado com todo o respeito concedido aos Ahlul Kitab pelo califado rashidun nos primeiros dias do Islã, quase foram extintos do Iraque na última década. 

Depois da ocupação do Iraque pelos Estados Unidos em 2003, seu número continua diminuindo drasticamente devido aos ataques contínuos dos jihadistas, e 90% da população já desapareceu do Iraque. Embora Deus no Alcorão prometa recompensá-los e reassegurá-los de seu destino no além, ninguém poderia salvá-los nesta vida do ISIS. Claro, um "califado", que não poupa nem mesmo os cristãos ahlul kitab que são tão claramente mencionados no Alcorão, certamente falhará com as pessoas que se enquadram em uma categoria tão duvidosa como os sabeus. Em suma, devemos nos maravilhar em como os muçulmanos se tornaram tão determinados a serem isentos em nosso tempo como um povo escolhido de Deus, e como a nação dos Estados Unidos se tornou a "nação sob Deus" e como os sabeus estão sendo eliminados fora da face da terra.

Bibliografia:

Buckley, j. j. (2002). The Mandaeans— Ancient Texts and Modern People. Oxford University Press.

Churton, T. (2002). The Golden Builders: Alchemists, Rosicrucians, and the First Freemasons. . New York: : Barnes and Noble.

Rosenfeld, B.A.; Grigorian, A. T. (2008). “Thābit Ibn Qurra, Al-Ṣābiʾ Al-Ḥarrānī”. Complete Dictionary of Scientific Biography .

Zurutuza, K. (Jan 29 2012 ). The Ancient Wither in New Iraq. BASRA: IPS.

Fonte: parvezalamblog