Protegidos pela escuridão, eles desembarcaram seu pequeno veleiro de vela latina na costa rochosa e começaram a subida lenta e silenciosa até a casa senhorial na colina. Nuvens de tempestade cobriam a lua, escurecendo a paisagem costeira do Mediterrâneo; chuva esporádica e rajadas de vento esconderam a aproximação dos marinheiros. Eram 20 homens, armados com adagas e espadas curtas e vestidos com as túnicas de luta de al-Andalus - a Espanha islâmica.

Eles escalaram com cuidado, evitando as amoreiras que cobriam as encostas à esquerda e à direita. Algumas luzes ainda estavam acesas na casa senhorial. O nobre provençal e sua família haviam terminado a última refeição do dia. Depois de ouvir as canções de um trovador visitante, os moradores da mansão se prepararam para dormir. Mas não demoraria muito para que a serenidade noturna daquela vila costeira fosse estilhaçada.

Este foi o ato de abertura de um drama de 85 anos encenado ao longo da costa da Provença nos séculos IX e X de nossa era. Essa projeção pouco conhecida, mas significativa, do poder militar árabe na terra dos francos foi a segunda desse tipo em menos de três séculos. A primeira, lançada quase dois séculos antes, é a que a maioria de nós conhece. Conduzida de al-Andalus por um exército a cavalo, foi frustrada por Eudes da Aquitânia em Toulouse em 721 e por Carlos Martel em Poitiers em 732.

A segunda projeção, esquecida pela maioria de nossos livros de história, começou como uma operação militar de pequena escala ao longo do belo trecho da costa agora conhecido como Riviera Francesa. Crônicos francos, em relatos descaradamente unilaterais e hostis, procuraram descartar a operação como um "ataque pirata". Pode ter parecido assim para alguns na época. Mas a passagem do tempo e os eventos subsequentes provaram que esses cronistas estavam errados. As invasões de piratas são normalmente eventos isolados e esporádicos. A operação na costa provençal, como veremos, acabou por se revelar parte integrante da política externa do califado omíada na Espanha. O "ataque" desdobrou-se em algo muito mais ambicioso, dando às forças de al-Andalus, durante a maior parte de um século, o controle efetivo da planície costeira que liga a França à Itália e das passagens nas montanhas para a Suíça - algumas das mais vitais rotas de comércio e comunicação da Europa da época.

Os cronistas árabes do período - isto é, aqueles cujas obras chegaram até nós - têm pouco a dizer sobre esse acontecimento único na costa provençal. Talvez não o considerassem suficientemente importante, em comparação com os momentosos acontecimentos que então ocorriam a sudoeste, na Península Ibérica.

Naquela época, a dinastia omíada de al-Andalus, que governava a Espanha há quase um século, estava sendo desafiada de todas as direções. Revoltas estavam ocorrendo em dezenas de cidades espanholas, algumas lideradas por árabes, algumas por berberes do norte da África e outras por muladis, ou muçulmanos de origem hispânica. O emir omíada Abdullah, um homem educado e piedoso que não tinha habilidades políticas, lutou desesperadamente para manter seu reino, mas em 912 o emirado havia praticamente se desintegrado e Abdullah  controlava pouco além dos muros de sua capital, Córdoba.

Naquele ano, ele foi sucedido por seu talentoso neto Abdul Rahman III, que estava destinado a se tornar um dos maiores líderes da história da Espanha islâmica. Nos próximos anos, Abdul Rahman acabaria com as rebeliões, estabeleceria um califado em al-Andalus e presidirá a uma "era de ouro" de prosperidade que viu Córdoba se tornarn o principal centro intelectual e político da Europa.

Tudo isso ocorreu enquanto as forças de al-Andalus, agrupadas em uma pequena cabeça de praia em Provença, gradualmente estendiam seu controle às áreas vizinhas da França, norte da Itália e até mesmo da Suíça. Mas se os historiadores árabes ficarem calados, os europeus deixaram registros da incursão original e seus tremores secundários, e a partir deles podemos reconstruir a história.

Um dos relatos mais detalhados vem de Liuprando de Cremona, um clérigo e diplomata italiano do século X. Ele descreveu os 20 homens que realizaram a operação em Provença como “piratas sarracenos”; eles teriam se visto como forças especiais do califado. Suas identidades pessoais se perderam na história. E. Lévi-Provençal, talvez o maior historiador ocidental de al-Andalus, acreditava que essas tripulações costumavam ser uma mistura de árabes, berberes, muladis e até mesmo cristãos. Eles podem ter agido sob ordens específicas do governo Omíada em Córdoba; também é possível que operassem com maior liberdade e flexibilidade sob o equivalente muçulmano de uma carta de corso, com autoridade oficial para invadir terras francas. Seja qual for o caso, Liuprando confirma seu papel como um instrumento da política externa de al-Andalus quando nos informa que a base que eles estabeleceram no sul da França operava sob a proteção de Abdul Rahman III e de fato prestavam tributo a ele.

Os sarracenos, como os andaluzes e outros árabes muçulmanos eram conhecidos naquela época, eram sensivelmente atraídos pela região de Provença, cuja beleza natural e fertilidade eram realçadas pelo fato de nenhum reino ou império a governar naquela altura. A costa mediterrânea de Marselha à Itália, com seus promontórios rochosos e exuberantes enseadas arborizadas, salpicadas de palmeiras e flores de cores brilhantes, deve ter sido tão atraente para os aventureiros muçulmanos do século IX quanto é para os viajantes de hoje. Na verdade, o historiador árabe do século XVII al-Maqqari relatou com certo divertimento a crença popular de uma época anterior de que os francos seriam barrados do paraíso porque já haviam sido abençoados por seu Criador com um paraíso na terra: terras férteis repletas de figos , castanheiros e pistache, em meio a outras generosidades naturais.

Os sarracenos estabeleceram sua base na praia da costa de Provença por volta de 889, em uma época de grande confusão e miséria. Apenas 30 anos antes, a costa sul da França havia sido saqueada e pilhada por piratas nórdicos. Cidades inteiras foram arrasadas e muitos habitantes locais mortos à espada. O duque Boso de Lyon, um usurpador parente do casamento com a dinastia carolíngia governante da França, aproveitou o caos e, com o apoio dos condes e bispos locais, estabeleceu seu próprio reino separatista em Provença em 879. Os reis carolíngios não puderam derrota-lo. Quando Boso morreu em 887, seu filho e herdeiro, Luis, era jovem demais para governar com eficácia; senhores e príncipes locais começaram a afirmar sua independência e desafiar uns aos outros. O império carolíngio estava se dividindo em reinos francos ocidentais e orientais. Não havia autoridade central ao longo da costa sul da França, e Provença estava madura para ser colhida.

Forças navais sarracenas e corsários atacavam com frequência ao longo dessas costas. Assim como nos séculos posteriores os corsários britânicos - piratas - muitas vezes trabalharam de mãos dadas com a Marinha Real, os corsários andaluzes cruzaram o Mediterrâneo Ocidental à sombra de uma grande frota naval sarracena, construída pelo governo omíada apenas algumas décadas antes, em resposta aos ataques nórdicos que também atingiram as costas de al-Andalus.

Os 20 sarracenos partiram de um porto ou ilha espanhola, aparentemente com a intenção de atacar um alvo militar no leste. Se o Golfo de St. Tropez era seu alvo principal, não se pode dizer com certeza. De acordo com Liuprando o tempo tempestuoso os forçou a recuar para o golfo, onde encalharam a embarcação sem serem vistos. O golfo se abre para o leste; o atual porto de pesca de St. Tropez, local de férias da moda para artistas, estrelas de cinema e ricos, está situado na costa sul. Os sarracenos atracaram a noroeste dali e, atraídos pelas luzes das tochas da casa senhorial, subiram a cordilheira conhecida como Massif des Maures, ''Platô dos Mouros’’. Alguns dizem que o cume leva o nome dos invasores árabes, também conhecidos como mouros; outros afirmam que deriva de uma corrupção provençal da palavra grega amauros, que significa "escuro" ou "sombrio" - uma descrição adequada das densas florestas de sobreiros e castanheiros da montanha.

Antes do nascer do sol, os andaluzes invadiram e capturaram a mansão dos nobres e protegeram a área circundante. Quando o amanhecer finalmente rompeu, eles puderam ver, do alto do maciço, altos picos alpinos ao norte, encostas indefesas mas densamente arborizadas abaixo e a vasta extensão azul do Mediterrâneo ao sul.

Os sarracenos decidiram manter sua posição. Eles começaram a construir fortificações de pedra nas alturas circundantes. Como defesa adicional contra o ataque franco, diz Liuprando, os árabes encorajaram o crescimento de arbustos de amoreira particularmente ferozes que proliferavam na área, "ainda mais altos e grossos do que antes, de modo que agora, se alguém tropeçasse em um galho, ele o atravessaria como uma lâmina afiada de espada." Apenas "um caminho muito estreito" dava acesso às fortificações dos sarracenos. “Se alguém entrar neste emaranhado, será tão impedido pelas espinheiras sinuosas e tão apunhalado pelas pontas afiadas dos espinhos que terá a maior dificuldade de avançar ou retroceder”, escreveu o clérigo. em sua história, intitulada Antapodosis, ou ‘’Olho por Olho’’.

Com suas defesas asseguradas, os andaluzes fizeram o reconhecimento do campo. Eles enviaram mensageiros de volta a al-Andalus com a palavra de seu sucesso, elogiando as terras dw Provença e fazendo pouco caso da habilidade militar dos habitantes locais. Como resultado, um novo bando de cerca de 100 guerreiros andaluzes, certamente incluindo cavaleiros (fursan) e suas montarias, logo chegou da Espanha para reforçar os 20 primeiros.

Muitos mais se seguiram enquanto os andaluzes afirmavam sua presença militar na área e conquistavam vitórias sobre a oposição franca dispersa. Administradores e suprimentos chegavam de Córdoba. Com o tempo, a presença sarracena ao longo da Riviera cresceu tanto que as expedições militares às vezes envolviam milhares de soldados. O Golfo de St. Tropez tornou-se um porto de escala regular para os navios da Marinha e de carga de al-Andalus no Mediterrâneo ocidental.

Os sarracenos chamavam sua base de Fraxinet (em árabe, Farakhshanit), em homenagem ao vilarejo local de Fraxinetum, batizado na época romana por causa dos freixos (fraxini), então comuns nas florestas vizinhas. Hoje, esta vila sobrevive como La-Garde-Freinet, um povoado pitoresco e intocado entre florestas de sobreiros e castanheiros a cerca de 400 metros (1300 ') no Massif de Maures, entre a planície de Argens e o Golfo de St. Tropez . A cerca de meia hora de caminhada da vila, estão as ruínas de uma fortaleza de pedra que se diz ter sido construída pelos 20 sarracenos originais. Outros pontos altos da área também foram fortificados pelos andaluzes, mas as autoridades locais afirmam que nada resta dessas estruturas.

Gradualmente, os senhores francos locais, procurando tirar proveito das novas realidades políticas e militares, buscaram a ajuda dos andaluzes para resolver suas disputas privadas. O tiro saiu pela culatra, de acordo com Liuprando: “O povo de Provença por perto, abalado pela inveja e ciúme mútuo, começou a cortar a garganta uns dos outros, saquear a o sustento uns dos outros e cometer todo tipo de dano concebível .... Eles chamaram a ajuda dos sarracenos acima mencionados ... e em companhia deles passaram a esmagar seus vizinhos ... Os sarracenos, que em si mesmos eram de força insignificante, depois de esmagar uma facção com a ajuda da outra, aumentaram seu próprio número continuamente com reforços da Espanha, e logo estavam atacando por toda parte aqueles que a princípio pareciam defender. Na fúria de seus ataques ... toda a vizinhança começou a tremer. ”

Cronistas europeus afirmam que os sarracenos saquearam o território costeiro em torno de Fraxineto, hoje chamado de Côte des Maures, e então se mudaram para áreas vizinhas em busca de novos alvos. Primeiro, pressionando para o leste, eles “passaram pelo condado de Fréjus com fogo e espada, e saquearam a principal cidade”, de acordo com E. Lévi-Provençal. A cidade de Fréjus, um importante porto marítimo fundado por Júlio César em 49 aC e que recebeu o nome de Fórum Julii, foi destruída, mas sua população foi poupada.

Os andaluzes seguiram em frente, atingindo uma cidade após a outra ao longo da Côte d'Azur. Por fim, eles voltaram para o oeste, conduziram operações contra Marselha e Aix-en-Provence, depois subiram o vale do Ródano e entraram nos Alpes e Piemonte. Os historiadores acreditam que os soldados berberes do norte da África, experientes na guerra de montanha, provavelmente foram usados extensivamente nas operações nos Alpes. Por volta de 906, as forças andaluzas tomaram as passagens nas montanhas do Dauphiné, cruzaram o Monte Cénis e ocuparam o vale do Suse na fronteira do Piemonte. Os sarracenos ergueram fortalezas de pedra em áreas que conquistaram - em Dauphiné, Sabóia e Piemonte - muitas vezes chamando-as de Fraxineto, em homenagem à sua base. O nome sobrevive até hoje nessas áreas em várias formas, como Fraissinet ou Frainet.

Não demorou muito para que os sarracenos pudessem controlar as comunicações diretas entre a França e a Itália. Os peregrinos com destino a Roma através de vales alpinos como o Doire, Stura e Chisone muitas vezes eram forçados a voltar em face das ações militares andaluzas. Em 911, o bispo de Narbonne, que estivera em Roma para tratar de assuntos urgentes da igreja, teria sido incapaz de retornar à França porque os sarracenos controlavam todas as passagens nos Alpes. Por volta de 933, diz Lévi-Provençal, "colunas de luz, muito móveis, seguravam - pelo menos durante o verão - todo o interior ... enquanto o grosso das forças muçulmanas estava entrincheirado no montanhoso cantão de Fraxinetum, em nas imediações do mar. ”

Relatos históricos francos frequentemente retratam os sarracenos como assustadores e imensamente poderosos. Por exemplo, o historiador do século XIX Joseph Toussaint Reinaud, baseando-se nos relatos do período, observa: “Vimos muitas evidências disponíveis para a afirmação frequentemente repetida de que um muçulmano era suficiente para por mil [francos] em fuga”. Esta é uma afirmação estranha sobre um bando heterogêneo de “piratas”, como os historiadores francos os descreviam com frequência. A afirmação faz muito mais sentido se os sarracenos não fossem de fato piratas, mas uma grande e bem organizada força militar sob o comando de um governo. Quanto a temer os andaluzes, aqueles que mais os temiam eram, sem dúvida, o clero provençal, que perderia sua base de poder se as populações locais se voltassem para o islã, como acontecera em al-Andalus.

No entanto, nem todos os provençais temiam os andaluzes de Fraxineto. Alguns formaram alianças com eles. “Há ... razões para acreditar que vários cristãos fizeram causa comum com os muçulmanos e participaram de seus ataques”, observa Reinaud em seu Invasions des Sarrazins en France, et de France en Savoie, en Piémont et en Suisse. Se os aldeões e os habitantes da Provença e das regiões vizinhas temiam os sarracenos tanto quanto afirmam os cronistas contemporâneos, de alguma forma conseguiram cooperar com eles em uma ampla gama de campos sociais, econômicos e artísticos.

Os árabes de Fraxineto não eram simplesmente guerreiros; Uma leitura cuidadosa das crônicas revela que muitos colonos andaluzes se estabeleceram pacificamente nas aldeias de Provença. Eles ensinaram os francos a fazer rolhas para garrafas, retirando a casca a cada sete anos dos sobreiros que proliferam nas florestas do Massif de Maures. Hoje, a indústria da cortiça é o principal empreendimento local da área. Os sarracenos também mostraram aos provençais como produzir alcatrão de pinheiro a partir da resina do pinheiro bravo e como utilizar o produto para calafetar barcos. Reinaud acredita que os omíadas de Córdoba mantiveram uma frota naval permanentemente baseada no Golfo de St. Tropez, em parte para facilitar as comunicações por todo o Mediterrâneo ocidental. O alcatrão de Fraxineto teria sido usado por aqueles marinheiros. Hoje, na França, o alcatrão do pinheiro é denominado goudron, palavra derivada do árabe qitran, com o mesmo significado.

Os sarracenos também ensinaram habilidades médicas aos aldeões e introduziram os azulejos de cerâmica e o pandeiro na área, e Reinaud acredita que a colônia árabe em Fraxineto teve uma “influência considerável” no desenvolvimento da agricultura local. Alguns estudiosos franceses acreditam que os sarracenos de Fraxineto introduziram o cultivo do trigo sarraceno, um grão que tem dois nomes na França moderna, blé noir (trigo preto) e blé sarrasin (trigo sarraceno). Além disso, notaram-se fortes semelhanças entre a poesia dos trovadores provençais e a dos poetas andaluzes, mas este caso particular de fertilização cruzada pode ter ocorrido ainda antes da colonização árabe em Provença.

Pouco sabemos sobre quem dirigiu ou participou desse empreendimento árabe na França. Raramente os sarracenos de Fraxineto são mencionados nominalmente nas crônicas europeias desse período. Liuprando conta a história de um comandante militar árabe com o nome latinizado de Sagittus (talvez Sa'id) que liderou uma força de combate andaluza de Fraxinet a Acqui, cerca de 50 quilômetros  a noroeste de Gênova. Mas tudo o que aprendemos sobre Sagittus é que ele morreu na batalha em Acqui por volta de 935.

Um líder da própria Fraxineto, Nasr ibn Ahmad, é mencionado nos Muqtabis de Ibn Hayyan de Córdoba, o maior historiador da Espanha medieval. De acordo com aquela crônica do século XI, Abdul Rahman III fez a paz em 939-940 com vários governantes francos e enviou cópias do tratado de paz para Nasr ibn Ahmad, descrito como qa'id, ou "comandante", de Farakhshanit, bem como aos governadores árabes das Ilhas Baleares e dos portos marítimos de al-Andalus - todos sujeitos ao califado omíada. Nada mais é revelado sobre o comandante de Fraxineto.

O primeiro esforço franco sério para expulsar os sarracenos de Fraxineto foi feito por Hugo de Arles, rei da Itália, por volta de 931. Hugo, buscando o controle da Provença para si mesmo, alistou a ajuda de navios de guerra bizantinos emprestados de seu cunhado Leão Porfirogênio, imperador de Constantinopla. Os navios de guerra, lançando “fogo grego”, atacaram e destruíram uma frota andaluza no Golfo de St. Tropez. Enquanto isso, em um ataque terrestre coordenado, o exército de Hugo sitiou a fortaleza de Fraxineto e conseguiu romper suas defesas. Os defensores sarracenos foram forçados a recuar para as colinas vizinhas. Mas exatamente quando o fim da colônia andaluza no sul da França parecia inevitável, a política local interveio.

Hugo recebeu a notícia de que seu rival Béranger, então na Alemanha, planejava retornar à França em uma tentativa de conquistar o trono. O rei, desesperado por aliados, mandou a frota grega de volta a Constantinopla e formou uma aliança apressada com os sarracenos que ele acabara de tentar expulsar. Ele assinou um tratado concedendo o controle de Fraxineto e de outras áreas aos andaluzes e estipulando que as forças árabes deveriam ocupar as colinas alpinas - de Mont Genèvre Pass no oeste ao Septimer Pass no leste - e bloquear qualquer tentativa de Béranger de cruzar para a França . Liuprando, sempre hostil aos sarracenos, ficou indignado com as ações de Hugo; no meio de suas crônicas, o historiador repreende o rei: "Quão estranha, de fato, é a maneira como tu defendes teus domínios!"

Depois de tomar o Grande São Bernardo e outras passagens importantes dos Alpes, as forças da Andaluzia se espalharam pelos vales circundantes. Grenoble e o exuberante vale de Graisivaudun foram capturados por volta de 945. Cerca de 10 anos depois, Otto I, rei da Alemanha e mais tarde Sacro Imperador Romano, talvez temendo que os sarracenos tivessem sucessos em seu próprio reino, enviou um enviado ao califa em Córdoba, 'Abdul Rahman III, pedindo o fim das operações militares nos Alpes pelos andaluzes de Fraxineto.

No início da década de 960, os sarracenos começaram uma lenta, mas constante, retirada das regiões alpinas. Em certa medida, isso se deveu à crescente pressão militar franca e talvez às iniciativas diplomáticas de Otto I. Mas um estudioso moderno, o especialista em Oriente Médio Manfred W. Wenner, sugere que a retirada pode ter sido motivada por uma mudança na política externa em Córdoba. Abdul Rahman III morreu em 961 e foi sucedido por seu filho Hakam II, um homem pacífico que não compartilhava do entusiasmo de seu pai por operações militares no sul da França e nas regiões alpinas. Wenner acredita que al-Hakam pode ter “negado permissão para reforços partirem para Fraxinetum dos portos espanhóis”, tornando cada vez mais difícil para a colônia manter uma presença militar nos Alpes.

Em 965, os andaluzes evacuaram Grenoble e o vale do Graisivaudun sob pressão contínua das tropas de vários nobres francos. As terras férteis e vilas prósperas que eles abandonaram foram divididas entre as forças francas que as distribuiram, em proporção ao valor e serviço de cada soldado. De acordo com Reinaud, escrevendo por volta de 1836, “ainda hoje famílias de Dauphiné como os Aynards e Montaynards traçam a virada de sua fortuna para esta luta com os muçulmanos”.

Em 972, os sarracenos ainda controlavam o Passo do Grande São Bernardo. Naquele ano, eles detiveram um grupo de viajantes que incluía um oponente político, o famoso clérigo franco Maiolus, abade de Cluny, que estava viajando pelo desfiladeiro ao retornar de Roma. Maiolus e sua grande comitiva foram finalmente libertados, mas o incidente provocou indignação em todos os reinos francos e desencadeou mais esforços para desalojar a colônia de Fraxineto e seus satélites.

Pouco depois de 972, os sarracenos foram expulsos das alturas ao redor do Grande São Bernardo. Um dos líderes das forças opostas nesta batalha árdua foi Bernardo de Menthone, a quem a passagem da montanha foi posteriormente nomeada. (Seu nome na época era Mons Jovis, em latim para "Monte Júpiter" - um termo que os árabes daquela época incorporaram em seu vocabulário  para designar toda a região alpina, Jabal Munjaws.) Bernardo, é claro, mais tarde fundou a conhecida hospedaria para viajantes nas alturas do Grande São Bernardo que existe até hoje. Alguns estudiosos acreditam que o incidente de Maiolus forneceu o ímpeto para a construção desse refúgio. O nome de Bernardo, aliás, também foi dado aos célebres cães treinados lá para resgatar viajantes presos nas neves do inverno.

Ao longo da própria Riviera, os senhores locais gradualmente superaram suas diferenças e, por volta de 975, uniram forças com o conde Guilherme de Arles, mais tarde marquês de Provença, em uma tentativa de consolidar todo o sul da França sob seu domínio. Guilherme era um líder popular e conseguiu persuadir os guerreiros de Provença, do baixo Dauphiné e do condado de Nice a se unirem à sua causa contra os sarracenos.

Os andaluzes, percebendo a gravidade da ameaça montada contra eles, consolidaram suas forças em Fraxineto e "desceram de seu resort montanhoso em fileiras cerradas", como diz Reinaud, para encontrar as forças francas em Tourtour, perto de Draguignan, cerca de 33 quilômetros a noroeste de Fraxinet. Os sarracenos foram rechaçados para sua fortaleza na montanha e os francos sitiaram a fortaleza. Os andaluzes, percebendo que seu destino estava selado, abandonaram o castelo na escuridão da noite e fugiram para a floresta circundante. Muitos foram mortos ou capturados pelas forças do Conde William, de acordo com relatos contemporâneos, e aqueles que depuseram as armas foram poupados. Diz-se que o exército franco também salvou a vida dos colonos andaluzes que viviam pacificamente nas aldeias vizinhas.

Fraxineto servia como a capital administrativa de todos os assentamentos sarracenos na França, norte da Itália e Suíça, e acredita-se que seu castelo tenha guardado grandes quantidades de tesouros. Todo o butim da conquista do Conde William foi dito ter sido distribuído entre seus oficiais e homens. Seu segundo em comando, Gibelin de Grimaldi de Gênova - um ancestral do príncipe Ranier III, que governou o atual Mônaco até 2005 - recebeu a área onde hoje se encontra a vila de Grimaud na encosta, com vista para o porto de St. Tropez. As ruínas do castelo feudal de Grimaldi, construído no estilo sarraceno, ainda coroam a vila.

Assim terminou a colonização árabe do sul da França. Os andaluzes fizeram tentativas posteriores de estabelecer pontos de apoio ao longo dessa costa: conduziram operações militares em Antibes em 1003, em Narbonne e Maguelone em 1019 e nas ilhas Lérins ao largo de Cannes em 1047. Mas nunca mais as forças de al-Andalus conseguiram repetir o sucesso impressionante de Fraxineto.

As regiões montanhosas do interior de Provença são pontilhadas por centenas de antigas aldeias fortificadas nas montanhas, como Grimaud, cuja própria existência é uma lembrança do “período sarraceno”. Essas aldeias foram construídas primeiro para proteção contra ataques sarracenos e, mais tarde, serviram para proteger os aldeões francos dos saqueadores de sua própria fé. Os camponeses viviam dentro de suas paredes, aventurando-se a trabalhar nos campos durante o dia. No século XIX, no entanto, com o estabelecimento de uma paz e ordem duradouras, os camponeses começaram a deixar as aldeias nas colinas e a descer para os vales. Hoje, algumas dessas aldeias estão total ou parcialmente abandonadas, mas muitas estão sendo restauradas, suas velhas estruturas de pedra convertidas em casas de fim de semana ou de verão para os ricos ou abrigando pequenas colônias de artistas e artesãos. Antigas minas e restos de forjas em Tende, nos Alpes Marítimos a nordeste de Mônaco, e em La Ferrière, perto de Barcelonnette, foram identificadas como locais onde os sarracenos extraíram minério de ferro com o qual fabricaram suas armas.

Outro eco sobrevivente do período Fraxineto são as velhas torres redondas erguidas para defesa e como postos de vigia, não apenas pelos sarracenos, mas também pelos habitantes da cidade. As torres francas imitam o estilo das torres árabes. As ruínas das chamadas “torres sarracenas” são encontradas ao longo da costa, bem como nos vales alpinos próximos. Estes são os vestígios físicos remanescentes dos árabes de Fraxineto: cursos de pedra lapidada, projetando-se da vegetação rasteira, tão fragmentados e misteriosos quanto o conto que os subjaz. Além disso, os sarracenos de St. Tropez e seus companheiros vivem como parte da memória folclórica da Provença, lembrada como soldados, mercadores e agentes da mudança em uma era sombria e conturbada.

Cronologia:

711 Os árabes entram na Espanha.

717 O exército de Al-Hurr entra na França.

721 Forças de Al-Samh derrotadas em Toulouse.

728 A frota de andaluzes invade as ilhas Lérins, ao largo de Cannes.

732 As forças de Abdul Rahman al-Ghafiqi perdem a Batalha de Tours e Poitiers.

759 Francos recapturam Narbonne.

827 Andaluzes lançam ataque naval a Oye, na Bretanha.

831 Andaluzes lançam ataque naval a Marselha; navegam até o estuário do Ródano.

848 Arles em mãos sarracenas.

869 Os andaluzes invadem Provença e constroem um porto na Camargue.

889 Vinte andaluzes subiram o Golfo de St. Tropez e encontraram uma colônia em Fraxineto (Farakhshanit).

906 Andaluzes cruzam os desfiladeiros do Dauphiné e do Monte Cénis.

908 Andaluzes ocupam o vale do Suse.

911 Andaluzes detêm os passes alpinos.

920 ‘Abdul Rahman, tio de Abdul Rahman III, emir de al-Andalus, cruza os Pirenéus e chega a Toulouse; Marselha, Aix, Piemonte atacado de Fraxineto.

929 Forças de Fraxineto avançam para as fronteiras da Ligúria.

931 Hugo de Arles convida a frota bizantina a ajudá-lo contra os colonos, mas depois faz as pazes com eles; Os andaluzes ocupam as alturas alpinas.

940 andaluzes ocupam e colonizam Toulon.

942-952 assentamento andaluz em Nice; Ocupação andaluza de Grenoble; Fortalezas andaluzas no Piemonte: Fressineto e Fenestrelle.

965 Andaluzes evacuam Grenoble.

970 Evacuação de Sabóia pelos andaluzes.

973 cidade francesa de Gap evacuada pelos andaluzes; Batalha de Tourtour e evacuação de andaluzes da maior parte de Provença.

975 Evacuação andaluza de Fraxineto.

1003 Andaluzes atacam Antibes.

1019 Tentativa andaluza de recapturar Narbonne; Maguelone atacada por andaluzes

1047 Incursão andaluza  nas ilhas Lérins.

Fonte: archive.aramcoworld.com