Como ocorreu a arabização do al-Andalus (Península Ibérica sob o Islã)?

Al-Andalus tornou-se uma sociedade árabe-islâmica graças ao sucesso do duplo processo de arabização e islamização. Após a chegada do Islã, ocorreu na Península Ibérica uma transformação semelhante à que ocorrera anteriormente nas regiões mediterrâneas orientais, e o resultado foi a gradual assimilação da população local à cultura recém-chegada, ou seja, a cultura árabe, que se tornou a dominante, embora de forma recíproca também tenha sido influenciada por alguns elementos das culturas autóctones.

A língua árabe foi introduzida na Península Ibérica com a chegada da população de língua árabe no século VIII, embora se saiba que seu número era baixo, já que a maioria dos conquistadores eram berberes islamizados do norte da África. O sucesso e a expansão do árabe deveu-se, portanto, à chegada um tanto tardia de novas contribuições da população de língua árabe (especialmente os árabes que chegaram com o exército de base tribal síria) e ao prestígio social alcançado por esta língua, uma vez que é o veículo de variedade das classes dominantes, pelo que a sua utilização traria uma série de vantagens sociais para os seus falantes. A tudo isso devemos acrescentar o fato de que o árabe é a língua sagrada do Islã, uma religião que se tornou a maioria da sociedade andaluza.

A população de origem árabe acima referida provinha de diferentes partes do Oriente, de modo que o árabe que falavam não era uma língua homogénea mas diferentes variedades faladas em áreas da Península Arábica e do território agora conhecido como o Oriente Médio. Assim, as características dos dialetos siríacos e iemenitas foram descritas na formação do árabe andaluz, devido ao fato de alguns dos colonos árabes pertencerem a tribos do sul da Península Arábica e da Síria. Já neste panorama linguístico andaluz precoce encontramos a situação de diglossia que caracteriza a língua árabe, ou seja, uma variedade utilizada na escrita e liturgia, e a existência de um grupo de diferentes variedades orais utilizadas como línguas de comunicação.

A formação do árabe andaluz

A gestação do árabe andaluz ocorreu de forma semelhante à de outras línguas neoárabe, grupo do qual faz parte em sua fase antiga, sendo o atual árabe marroquino, árabe iraquiano, árabe egípcio, etc. uma fase moderna do mesmo grupo de línguas. Ou seja, o que as diferencia é que o andaluz desapareceu como língua de comunicação no século XVII, enquanto as outras línguas vernáculas árabes continuaram evoluindo até os dias atuais.

O árabe andaluz formou-se, portanto, pela interação de vários elementos: as diversas variedades árabes trazidas para a Península Ibérica no século VIII, juntamente com elementos autóctones como o latim vulgar, primeiro, e o romandalusí (moçárabe), depois. Esta última consistia na língua românica falada pela população andaluza durante os primeiros séculos e que teve uma evolução diferente das línguas românicas faladas mais a norte devido ao contacto contínuo com uma variedade árabe.

Fragmento do Divã de Ibn Quzman, ed. por David de Gunzburg (1896). Biblioteca Digital AECID.

Esta realidade linguística anterior à chegada dos árabes, e na qual se fixaram, funcionou como um substrato linguístico e deixou uma marca importante no árabe andaluz. Devemos também levar em conta outra influência linguística do norte da África, a língua berbere ou amazigue; Em primeiro lugar, pela presença entre os conquistadores de variedades berberes faladas pelas tropas desta origem e, posteriormente, devido à chegada da população de língua berbere durante os impérios almorávida e almóada, o que significou também a influência de outros dialetos no andaluz. Árabes magrebinos, sobretudo marroquinos. Tudo isto deu forma a uma particular variedade árabe que conseguiria prevalecer em toda a sociedade andaluza como língua veicular ou de comunicação.

Além do elemento religioso e do prestígio social já mencionados, outros fatores contribuíram para o sucesso desse processo. Por um lado, a chegada de árabes oriundos do Oriente durante a época do Califado ajudou na expansão da arabização e, por outro, a campanha de propagação da variedade córdoba promovida pelo califa 'Abd ar-Raḥmân III no século X, de grande sucesso sobretudo nas cidades, contribuiu para uma certa homogeneização das diversas variedades do árabe andaluz. Assim, formou-se uma coiné mais ou menos unificada e prestigiada que, ao longo do século XI, conseguiu impor-se nesta sociedade sem distinguir a religião dos seus falantes; ou seja, era a língua de comunicação dos muçulmanos, dos cristãos e dos judeus de al-Andalus. Com isso, o maior número de falantes dessa língua foi atingido nos séculos XI e XII.

O seu prestígio social foi tal que se tornou uma língua literária, papel normalmente desempenhado nas sociedades árabe-muçulmanas pela variedade clássica, atingindo os círculos da corte e os palácios dos reinos taifa. Inclusive, em uma época específica, os andaluzes começaram a exportar a cultura árabe para o Magreb, onde tiveram considerável influência, tornando-se uma referência cultural e artífices da arabização de parte daquela região.

Temos documentação textual do árabe andaluz desde o século X até a época da expulsão dos mouriscos no século XVII. Assim, o primeiro uso preservado do andaluz em um documento escrito, que aparece na crônica histórica al-Muqtabis V de Ibn Ḥayyān, está documentado em um verso do ano 913 em que um apoiador do rebelde 'Umar ben Ḥafsûn insulta o emir ' Abd ar-Raḥmân III.

Existem também vestígios da variedade andaluza na produção literária, como os provérbios ou a poesia, pois foi no al-Andalus que nasceu o género da poesia estrófica, fornecendo-nos os primeiros exemplares desta língua. É o caso dos xaraǧât (refrões escritos em árabe andaluz ou na língua românica dos poemas conhecidos como muwaššaḥât) e dos cejeles (poemas estróficos escritos inteiramente em árabe andaluz).

Entre os exemplos mais recentes do uso escrito desta língua encontram-se os documentos escritos pelos mouriscos de Valência, em prosa e para uso privado, onde encontramos interessantes exemplares da língua românica falada nesta região oriental da Península Ibérica, devido à prática por esta população de conde-switching andaluz-língua românica.

Graças a esta situação, o andaluz é o dialeto árabe medieval mais bem documentado e, como consequência, foi possível descrever sua gramática e léxico, apesar do conhecido registro alto que caracteriza as fontes escritas. Hoje é considerado um elemento essencial na história da língua árabe e da sua dialectologia, pois o seu maior conhecimento demonstrou a sua ligação com os restantes dialetos falados na região do Magreb, abandonando assim a designação anterior que lhe tinha sido dada (dialeto hispano-árabe). Tudo isto contribuiu para corroborar que o al-Andalus, mesmo tendo se estabelecido como uma entidade política diferente com a chegada do omíada 'Abd ar-Raḥmān I, continuou a fazer parte do ambiente linguístico e cultural criado pela expansão imperial islâmica.

Contatos entre o árabe e o romance em território peninsular

Durante os nove séculos em que a língua árabe foi falada em parte do território da Península Ibérica, o seu estatuto sofreu várias alterações, sobretudo devido a circunstâncias extralinguísticas, passando assim por três fases distintas: em primeiro lugar, entre os séculos VIII e X, pode-se falar de uma situação de bilinguismo, onde o árabe era a língua de maior prestígio social, enquanto a língua proto-românica da população autóctone era a mais importante do ponto de vista quantitativo.

Um segundo período, em que o árabe andaluz prevaleceu como língua de comunicação dominante entre os vários grupos sociais e religiosos que viviam no al-Andalus, atingindo uma situação de monolinguismo árabe mais ou menos difundido entre os séculos XI e XIII. E uma terceira e última fase, a partir do século XIII, em que, após o avanço das conquistas cristãs e a redução numérica da população de língua árabe, se verificou outra situação de bilinguismo entre o árabe andaluz e as línguas românicas, mas este periodo com o árabe vernacular como língua minoritária e sem prestígio social, enquanto a língua dominante era diferente conforme a região, uma vez que o latim vulgar já havia evoluído para as várias línguas românicas peninsulares.

A existência da primeira situação de bilinguismo no al-Andalus e a sua duração no tempo tem sido um tema altamente controverso na literatura científica, uma vez que têm surgido inúmeras teorias contraditórias, algumas delas altamente polarizadas. A teoria mais aceita atualmente é que a situação de bilinguismo vivida no al-Andalus atingiu um nível de interferência tão profundo que deixou vestígios em ambas as línguas. No entanto, a arabização do al-Andalus, embora tenha sido um processo lento e não isento de contratempos, atingiu o seu apogeu no século XI, cerca de três séculos depois da chegada da língua árabe a estas terras. A variação dialectal continuou a existir sob a forma de variantes regionais e existiam mesmo núcleos isolados de falantes de outras línguas, sobretudo nas zonas rurais.

Reprodução fac-símile de um fragmento do Vocabulista in arabico, segundo o códice da Biblioteca Riccardiana de Florença, edição de C. Schiaparelli (1871). Biblioteca Digital AECID.

No que diz respeito ao árabe andaluz, as interferências com a língua romance existem a nível fonético, prosódico, morfossintático e lexical. Assim, por exemplo, sua prosódia particular demonstra sua idiossincrasia, pois é diferente de qualquer outra variedade árabe.

Quanto às línguas românicas, a interação com o árabe andaluz reflete-se também na presença de algumas interferências que, embora não sejam muito numerosas nos aspetos fonéticos e morfossintáticos, são no domínio do léxico, onde a pegada é maior.

Dois tipos de influências foram estabelecidas do árabe andaluz para as línguas faladas no norte cristão. Em primeiro lugar, de tipo direto graças aos grupos sociais que viviam entre as duas culturas peninsulares: a cristã-ocidental e a muçulmana-oriental. Esta população foi inicialmente constituída pelos moçárabes (cristãos arabizados) de al-Andalus que começaram a emigrar para o norte da península a partir dos séculos IX e X e sobretudo a partir do século XII, tornando-se assim os principais transmissores da interferência linguística nas línguas falado nos reinos cristãos.

Posteriormente, houve um segundo grupo populacional que viveu entre as duas culturas, é o formado pelos mudéjares, eventualmente mouriscos, que mantinham contato diário com as línguas romances em algumas cidades, já sob o domínio cristão. Contribuíram para a transmissão dessas transferências, mas em menor escala, devido ao seu estatuto social inferior ao anteriormente desfrutado pelos moçárabes, uma vez que estes provinham de uma cultura tida como superior, pelo que eram imitados em muitos aspectos.

A segunda classe de influências é de tipo indireto e trata-se de um contato linguístico mais distante e esporádico, motivado, por exemplo, por relações comerciais, militares e políticas.

Ilustração da tradução espanhola do Kalila wa Dimna (século XIII). Biblioteca Real do Mosteiro de El Escorial, ms. H-III-9, f. 11v (cópia do século XV).

Quanto ao contato entre as variedades escritas, as interferências linguísticas ocorreram principalmente do árabe clássico ao latim e às línguas românicas, quando estas se tornaram línguas literárias. Este contato deu-se sobretudo através de um importante trabalho de tradução das obras árabes orientais e andaluzas e das obras gregas anteriormente traduzidas para árabe no célebre Dār al-Ḥikma de Bagdá, que chegara a al-Andalus na bagagem de muitos viajantes que veio do Oriente.

 Assim, por exemplo, na corte de Castela, todo o conhecimento árabe foi traduzido para o espanhol, variedade vernacular que com Afonso X, o Sábio, se tornou uma língua literária, e para o latim, passando assim para o resto da Europa. Como o espanhol ainda não era uma língua de cultura bem desenvolvida, foi preciso criar muitos neologismos para expressar o que havia naquelas obras árabes e gregas, e com isso as influências linguísticas penetraram nas línguas românicas e latinas, principalmente na forma de empréstimos semânticos, conhecidos como arabismos.

O declínio do árabe como língua de comunicação e seu desaparecimento na Espanha moderna

Com o passar dos séculos e o avanço cristão para o sul, a situação linguística dos mudéjares e dos mouriscos caracterizou-se por uma nova situação de bilinguismo, como já assinalamos anteriormente. Isso difere em muitos aspectos do que descrevemos para a primeira era do bilinguismo nos séculos anteriores.

Primeiro, na importância do fenômeno, já que agora era menos extenso do ponto de vista cronológico e geográfico. Em segundo lugar, a língua de prestígio social era diferente nos dois casos, já que na primeira fase do bilinguismo seria o árabe andaluz e na segunda seriam as línguas românicas. Terceiro, porque agora temos que falar mais sobre o bilinguismo individual, enquanto o primeiro foi um fenômeno desenvolvido em nível social. Ou seja, agora em muitos casos tratava-se de alguns indivíduos que dominavam os dois idiomas e que serviam como intermediários, os famosos trujumanes.

O desaparecimento da língua árabe na Península Ibérica foi um processo muito lento, devido à resistência da população muçulmana em abandonar sua língua, situação que encontramos até mesmo entre alguns cristãos. Desta forma, o árabe existiu entre a população da cidade de Toledo mesmo após a conquista da cidade em 1085 pelo rei Afonso VI. Esta situação perdurou até aos séculos XII e XIII, ou seja, manteve-se o uso do árabe como língua de comunicação de uma comunidade cristã, antigos moçárabes de Toledo, e sob o poder de um rei cristão, por motivos provavelmente relacionados à identidade do grupo.

Em todo o caso, o declínio da língua árabe não ocorreu de forma semelhante em todas as regiões, pelo que a situação em Castela Aragão não foi a mesma de Granada e Valência, sendo a vitalidade do árabe muito mais forte nas duas últimas cidades. Assim, na parte norte da Península Ibérica, o árabe como língua de comunicação desapareceu por volta do século XIV, enquanto nas regiões sul e leste sobreviveu até finais do século XVI em Granada e até à expulsão dos mouriscos, em início do século XVII, no Levante. Este fato teve como consequência que parte da população mourisca levou consigo a língua árabe para o território onde se fixou, ou seja, para algumas regiões do Magrebe, enquanto outros aí tiveram de se “rearabizar” por falarem apenas a língua românica.

Bibliografia:

  • Corriente, Federico, 1992. Arabe andalusí y lenguas romances. Madrid, Editorial MAPFRE.
  • Corriente, Federico, Christophe Pereira & Ángeles Vicente, 2015-2022. Encyclopédie Linguistique d’Al-Andalus, 5 vols. Berlín, De Gruyter.
  • Vicente, Ángeles, 2006. El proceso de arabización de Alandalús: Un caso medieval de interacción de lenguas. Zaragoza, Instituto de Estudios Islámicos y del Oriente Próximo.
  • Wasserstein, David, 1991. “The language situation in al-Andalus”. En Studies on the Muwaššaḥ and the Kharja: Proceedings of the Exeter international colloquium, 1–15. Oxford, Ithaca Press.