A nomeação de Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita Lega, como novo ministro do Interior da Itália deu origem a um confronto relacionado à migração no Mediterrâneo. Pela primeira vez, a Itália negou a entrada em seus portos a um navio que transportava migrantes resgatados no mar, em um contexto de estagnação cada vez mais dura da política migratória na União Europeia. Bloqueios semelhantes ocorreram com outros dois navios.

O discurso racista que encontrou terreno fértil no debate público sobre migração na Europa baseia-se fundamentalmente em dois pressupostos errôneos: que a migração é um fenômeno novo e que o Mediterrâneo está "dividido" desde a antiguidade, no sentido de que a população sempre se mudou da margem sul desfavorecida para a próspera margem norte.

A migração ocupa um lugar central na história do Mediterrâneo e existe uma rica tradição de ligação entre as suas duas margens. No início da Idade Moderna, entre os séculos XVI e XVIII aproximadamente, a mobilidade era intensa e variada, à semelhança do que é hoje.

No início dos tempos modernos, foi principalmente a população da Europa que se mudou para a África e o Oriente Médio em busca de uma vida melhor ou para escapar da perseguição religiosa. Essa tendência aumentou no século XIX. A partir da década de 1830, camponeses empobrecidos da Espanha, Malta, Itália e França migraram em massa para o norte da África. A migração italiana atingiu seu nível mais alto nas primeiras décadas do século XX, quando registrou uma média de 12.770 emigrantes por ano.

Motivos da Migração

Muitas das pessoas que cruzaram o Mediterrâneo no início da Idade Moderna o fizeram contra sua vontade, para fugir da guerra ou da perseguição política ou religiosa. O caso mais óbvio do que hoje chamaríamos de “refugiados religiosos” foi a expulsão de milhares de judeus e muçulmanos da Espanha em 1492. Os judeus expulsos foram reassentados na Grécia, nos estados italianos, no norte da África e no Oriente Médio, que naquela época era governado por sultões otomanos. Ao longo da fase inicial da Idade Moderna, os judeus deslocaram-se para sul, para os territórios do Império Otomano, para tentarem escapar às perseguições que muitas vezes sofriam na Europa.

Outra forma de deslocamento forçado era relacionada ao tráfico de pessoas. As antigas rotas de comércio de escravos que cruzavam a região desde tempos remotos favoreceram a chegada de escravos africanos à Europa e aos territórios do Império Otomano. Habitantes costeiros da Espanha, norte da África, Itália e Palestina também foram frequentemente capturados durante frequentes ataques de piratas e depois vendidos como escravos. Navios e barcos de vários tamanhos poderiam facilmente cair nas redes de piratas e corsários, o que levou muitos ingleses e holandeses a serem escravizados também.

A população também viajava pelo Mediterrâneo por vontade própria. A região sempre foi caracterizada por constantes movimentos de soldados, peregrinos, diplomatas e viajantes. Como hoje, homens e mulheres deslocavam-se em busca de uma vida melhor, com a ressalva de que, no início da Idade Moderna, tais movimentos se davam principalmente da margem norte para a margem sul do Mediterrâneo.

Conhecendo os vizinhos mais próximos

Normalmente, o povo da Europa se mudava para o Império Otomano em busca fortuna, escapar da justiça ou melhorar suas perspectivas sociais em uma terra que oferecia grandes oportunidades aos recém-chegados. Parte dessa população encontrou grandes oportunidades de prosperidade. A história do Mediterrâneo está repleta de exemplos de italianos e ingleses, entre outras nacionalidades, que chegaram a ocupar cargos de destaque e altos cargos nas regências do norte da África e em Constantinopla (atual Istambul).

Seja qual for o motivo, a mudança para os territórios do Império Otomano não implicava necessariamente no rompimento de laços pessoais. Em 1591, uma jovem de Veneza, Beatrice Michiel, partiu para Constantinopla, onde se reuniu com seu irmão, Gazanfer. Escravizado quando criança e treinado na corte do Império Otomano, ele se tornou um dos servidores de confiança do sultão e passou a ocupar altos cargos na hierarquia otomana. Durante os mais de 20 anos em que viveu em Constantinopla, Gazanfer nunca perdeu contato com sua mãe e irmã em Veneza, e esta posteriormente decidiu se juntar a ele.

Cartas de quem se estabelecia permanentemente em terras otomanas e histórias de escravos resgatados que retornavam ao seu país de origem, mercadores e viajantes também contribuíram para a circulação de histórias e ideias sobre os “vizinhos”. Entre as histórias que circularam na Veneza do século XVII, uma das mais famosas é a de Roxelana, uma escrava cristã, nascida na Retenia (atual Ucrânia), que se casou com Suleiman, o Magnífico, e recebeu o nome de Hürrem Sultan. Estas histórias alimentaram a curiosidade da população e alimentaram a sua vontade de atravessar o mar.

Mercadorias, objetos e alimentos também circulavam. Entre os séculos XVI e XVIII, as elites europeias eram fascinadas pela cultura turca. A moda de estilo otomano inspirou música, arquitetura e todos os tipos de itens.

No início da Idade Moderna, os regulamentos que regiam a chegada de estrangeiros, os controlos fronteiriços e as políticas de acolhimento eram muito diversos no Mediterrâneo. As autoridades muitas vezes adotaram uma abordagem muito prática. Assim, nos séculos XV e XVI, o Estado otomano acolheu refugiados judeus para tirar proveito de suas habilidades técnicas e redes comerciais.

Como naquela época ainda não havia nascido a ideologia do Estado-nação do século XIX, fatores como a religião às vezes tinham um peso maior nas políticas de acolhimento, e não a “cidadania” ou a origem. Por exemplo, durante a Reforma, o Papa tentou restringir a chegada e permanência de protestantes no Estado Papal. No Império Otomano, a filiação religiosa também influenciou a política de integração, pois as comunidades religiosas eram responsáveis ​​por prestar assistência aos recém-chegados que pertenciam à mesma denominação religiosa.

Uma mudança de endereço

Esta tendência predominante de migrações que atravessam o Mediterrâneo de norte a sul continuou até o século XX. A partir desse momento, houve uma mudança na direção oposta. Houve um primeiro fluxo de camponeses empobrecidos que se mudaram do norte da África para a Europa por causa da colonização européia; Mais tarde, após os movimentos de independência ocorridos após a Segunda Guerra Mundial, ocorreu o retorno dos europeus que se estabeleceram nas colônias. Mais tarde, na década de 1970, a chegada de trabalhadores do sul do Mediterrâneo foi incentivada pelos governos europeus que precisavam de mão de obra.

As causas dessa mudança de direção dos fluxos migratórios devem ser buscadas em processos econômicos e políticos iniciados já no século XVII, como, por exemplo, a crescente influência do poder europeu. Esta evolução irá reconfigurar a relação económica entre as duas margens do Mediterrâneo. Acabará por conduzir à transformação do Médio Oriente e do Norte de África, ao longo dos séculos seguintes, em fornecedores de matérias-primas para as fábricas francesas e britânicas, abrindo caminho à colonização.

Tudo isso mostra que a direção da migração não é imutável, mas, ao contrário, é influenciada por circunstâncias históricas. Também destaca a forma como as tendências migratórias no Mediterrâneo foram afetadas por processos como a colonização.

Fonte: theconversation.com