Embora o bisht outorgado a Messi provavelmente não tenha custado mais de 2.000 dólares, o fato de um advogado de Omã ter oferecido até 1 milhão pela capa revela muito sobre o status dos presentes na cultura árabe.

A razão para esse preço inflacionado é simples: é um presente do emir do Catar Sheikh Tamim bin Hamad Al-Thani para um dos jogadores de futebol mais condecorados por gerações. Tal presente agora adquire o status de "manto de honra".

No entanto, isso não é nada novo. Presentes de nobres e reis sempre foram apreciados nas culturas árabe e muçulmana.

No antigo Oriente Médio, o presente mais comum que um nobre, oficial, príncipe ou rei poderia dar a alguém que ele admira é um manto de honra. Idealmente, o nobre ou o rei “tiraria” o próprio manto e o colocaria sobre o sujeito que desejava homenagear. É por isso que o ato é chamado de “khil’a” em árabe, que significa “ vestimenta retirada”.

Este ato ou protocolo agrega valor e honra extra à vestimenta, pois ela foi utilizada para cobrir um corpo nobre, portanto é uma extensão simbólica de seu prestígio, nobreza e autoridade política ou religiosa.

Essa tradição continuou com o Islã, pois o Profeta costumava aceitar presentes e recompensar as pessoas por oferecê-los. Então, quando o poeta Ka'ab ibn Zuhair o homenageou em um poema, o Profeta Muhammad tirou seu próprio manto e o deu a ele.

A partir de então, califas e sultões estabeleceram oficinas têxteis reais, que produziam vestes especiais em diversos tamanhos.

Essas vestes geralmente tinham fios de ouro, prata e seda, embora às vezes decoradas com pedras preciosas. Na ilustração abaixo, vemos o sultão Mahmoud de Ghazni (do século X) usando um “khil’a” enviado como presente do califa abássida em Bagdá, dando a ele uma aprovação simbólica religiosa do califado árabe.

Sultão Mahmoud da Ásia central vestindo seu khil'a do califa de Bagdá, ilustração do livro Jami' al-Tawarikh do século XIV de Rashid al-Din

O rei Afdal Abbas Rasuli (século XIV/Iémen), no seu livro  Picnic of the Amusers and Present of Caliphs, dedica um capítulo aos “Deveres do Rei para com quem lhe dá um presente”.

Ele menciona uma variedade de protocolos em relação ao presente dedicado ao governante, dependendo de seu valor.

O autor acrescenta que existe um escriturário especial na corte real que cuida dos presentes. Ele deve receber presentes e enviar recompensas em troca, após informar o rei sobre eles, não importa quão grande ou pequeno seja o valor do presente recebido.

Se olharmos para os tipos de presentes reais trocados entre nobres ou com pessoas 'comuns' como observados em coleções de arte islâmica, encontramos livros decorados, joias, têxteis, artefatos, roupas pintadas, objetos pessoais, antiguidades, armas e outros objetos.

Todos eram feitos para cumprir perfeitamente sua função original, mas com o valor agregado de uma beleza artística especial. Claro, o dinheiro em ouro é considerado um dos melhores presentes, mas também existem alguns “presentes vivos” que podiam exceder o valor de todos os presentes.

Em um mundo medieval onde a escravidão era aceitável, apresentar um belo escravo ou uma bela concubina seria o melhor presente, especialmente se o receptor já estivesse apaixonado por ele/ela.

Além dos escravos, não devemos esquecer a importância de presentear cavalos e mulas, que equivalem aos carros em nosso tempo. Animais de estimação e animais exóticos eram apresentados para companheirismo e prestígio.

Grão-vizir apresentando um livro ao imperador mogol Akbar

Em geral, reis, vizires e nobres eram colecionadores de livros, não apenas para se educar, mas também para se mostrarem patronos das artes, letras e ciências.

Muitos livros árabes pré-modernos foram escritos a pedido de funcionários ou dedicados a eles, mas deveriam parecer extraordinários, é por isso que os livros eran pintados, dourados e gravados.

Há alguns anos, como um autor fascinado pela cultura material árabe e islâmica e objetos de inspiração vintage, decidi criar um presente real inspirado em antigos livros reais. Escrevi e desenhei um livro chamado Boon-Companionship and the Courtiers (uma carta para sua majestade na literatura dos reis) dedicado ao falecido sultão de Omã, Qaboos bin Said.

A princípio, desenhei uma cópia longa e grande como um modelo inicial feito à mão, decorado com pinturas de arte islâmica relevantes.

A encadernação da capa era feita de couro natural tingido de marrom - uma cor real em muitas tradições - e decorada com um acessório combinando. Depois disso, fui informado de que o livro deveria ser impresso para ser recebido pelo sultão.

Então, desenhei uma versão final mais curta, impressa em uma edição limitada com especificações luxuosas. A capa tem um toque aveludado, decorada com pinturas antigas do sultão mogol Auranghzeb (século XVII/Índia) em ambas as faces.

Os papéis são dourados junto com as informações da capa. Na margem da capa, há um selo omani de Qaboos para enfatizar o estilo de letra personalizado. No entanto, senti que a cópia real deveria ser incomparável e mais luxuosa do que as outras cópias da edição limitada. Assim, transformei as gemas pintadas em verdadeiras joias e a capa passou a ser cravejada com 22 pedras preciosas de diamantes, esmeraldas, rubis, citrinos e granadas.

O livro foi colocado em uma caixa combinando, decorada por um sultão mogol pintado à mão com a presença de seus cortesãos. Anexado à caixa há um porta-cartas cilíndrico vintage, gravado com o nome do sultão de um lado e “que Deus o proteja” do outro lado. Ele contém uma carta manuscrita em um pedaço de papel feito de folha de palmeira.

Infelizmente, o presente não foi entregue ao sultão devido ao seu estado de saúde nos últimos anos. No entanto, como o destino da maioria dos presentes reais, eles acabariam sendo apresentados ou vendidos a outra pessoa e depois repassados, revendidos ou herdados até que se tornassem parte de uma coleção particular ou exibidos em um museu.

Presente de Jamel Baker (autor deste texto) para o falecido sultão de Omã Qaboos bin Said

Fonte: www.newarab.com